5/21/2012

Mais estranho que a ficção

Tudo começou com uma palestra. Não lembro o tema. Saí do prédio e entrei no carro. Alguém me acompanha.
De repente, ele me manda sair do carro. Estamos no meio de uma avenida. O carro explode. Nossas vidas estão salvas. Vou pra casa.
Ligo a tv e anunciam uma mensagem. Forma-se a rede de rádio e tv. Uma mensagem da Presidenta: vai censurar a correspondência até que cessem os atentados a bomba que estão matando funcionários públicos. Eu me pergunto: a quem interessaria matar diplomatas?

Mais um fruto da minha mente insana.

3/09/2012

30 Rock - S06E05

Esse é mais um episódio com um claro conflito entre Liz e Jack. O contrato de Liz vai vencer e Jack presume que a personagem de Tina Fey vai simplesmente assinar o mesmo contrato. A face negociadora de Jack já nos foi mostrada por ocasião do contrato do Josh [o ex-terceiro ator do TGS]. Há uma diferença entretanto, Jack está mais frágil em virtude da sua migração para a CabeTown em vez da G&E.  Após um primeiro contato nada satisfatório para Liz, ela busca ajuda e acaba encontrando um instrumento bastante incomum: fitas em que Jack ensina pessoas comuns a negociar como ele. O embate entre os Jacks proporciona momentos engraçados, como o do encontro na sorveteria. No seu esforço de conseguir um contrato melhor, Liz chega até a copiar o topete usado por Jack. 

O encontro na sorveteria, mais que uma prova de que Alec Baldwin tem um grande talento para a comédia, reforça o que vem sendo exposto desde o primeiro episódio: o quanto Jack conhece Liz. O que me chama a atenção é que os personagens conseguem negociar sem por em risco a amizade. Como diz a personagem de Tina Fey, há apenas a demonstração de que a amizade ainda tem espaço para crescer.  Em desenvolvimento paralelo, temos a continuação da saga de Kenneth, que chega a uma revelação sobre o seu futuro: ele deve se desligar da sua atual função na NBC e buscar um emprego de verdade. No seu lugar, surge Hazel [Kristen Schaal]. Será se Kenneth vai mesmo sair do seu amado emprego perto das celebridades? Resposta nos próximos episódios [que ainda não vi]. 


Correndo por fora, temos Jenna e Tracy tendo que se virar pra agradar a um pré-adolescente em seu Bar Mitzvah. Os dois acabam tendo um momento de crescimento pessoal bem interessante. Fica a expectativa de ver esse crescimento nos próximos episódios.

2/22/2012

O Problema do carnaval

Acho que o problema com o carnaval é a culpa. Perdemos o final de uma semana e vamos até o meio da semana seguinte, com a ilusão que vamos resolver alguma coisa no resto dessa semana. Não iremos. Quarta é o dia da culpa, e quinta e sexta são dias em que nada vai se resolver mesmo.

Sou a favor de uma pequena mudança. Acho que o carnaval deveria durar uma semana. Começaria em um sábado de fevereiro e iria até o sábado da semana seguinte, fechando uma semana. No domingo, as pessoas se recuperariam e, na segunda, todos retornariam ao trabalho, contando as histórias e as vantagens.

Que vocês acham?

Inté

2/20/2012

30 Rock - S06E04


Começo essa crítica pedindo desculpas. Sei que 30 Rock já está no 8º episódio. Fiquei meio retido essas semanas. Vou tentar acompanhar.

Após 3 semanas de conflitos Liz – Jack, temos o primeiro conflito Liz – Jenna, que acontece porque o status de estrela média da atriz finalmente lhe subiu à cabeça em um nível insuportável. Ri muito com as aparições do “Charlie bit my finger” e das outras estrelas.

Outro ponto de positivo de 30 Rock nesse episódio foi a gozação aos filmes de relacionamentos [esses filmes cheios de celebridades que se encontram e têm uma relação]. O SNL, programa em que 30 Rock é baseado, já tinha feito algo parecido, uma vez que o Seth Meyers gravou um filme assim. Gostei da participação de alguns atores reais e alguns do SNL. Ficou legal.



Outra coisa legal do episódio foi o início do fim de uma era. Jack quer terminar o Page Program e isso afeta Kenneth. O fato de o terem substituído por um computador [que se chama Não Kenneth] acabou sendo bem irônico. Por mais que as coisas tenham voltado ao normal, a impressão [a ser confirmada nos próximos episódios] é que foi dado um passo sem volta.



E temos Tracy de volta! Ele, que tinha aparecido como secundário até agora voltou a ter um pouco mais de atenção. Infelizmente, sua participação acabou indo mais para o drama, uma vez que sua trama girou ao redor do fato de um erro impresso no seu convite de aniversário. A reflexão, infelizmente, acabou sendo bem mais egoísta e materialista que gostaríamos.

Inté

2/18/2012

Budapeste

"Devia ser proibido debochar de quem se aventura em língua estrangeira."

Chico Buarque

2/11/2012

O país do "faça o que quiser".

Saudações a todos.

Parto do pressuposto que você, leitor desse texto, leu a HQ do Alan Moore "V de Vingança". Se você leu, pode ir para o segundo parágrafo. Para quem não leu, leia. Será bom pra você. Mas o espírito aqui é um pouco mais libertário, como se verá a seguir.

Acredito que vivemos em uma época particular. Acredito que estamos no começo de uma onda conservadora. Para constatar isso, basta olhar ao seu redor. Estamos cercados de templos religiosos que dizem às pessoas o que comprar, o que fazer e, principalmente, como pensar. Mas essa onda não é apenas religiosa. Nossos telejornais, nossas revistas e até mesmo os nossos círculos pessoais fazem as mesmas coisas. Quem nunca viu uma opinião escondida em uma notícia ou mesmo em um comentário dito "inofensivo"? Não há mais inocentes [pelo menos entre os ditos formadores de opinião].

O ponto que eu quero marcar aqui é que não irão faltar pessoas pra te dizer o que fazer. O que eu acho que nem todo mundo percebe é que o quanto essas pessoas querem moldar o comportamento alheio. Eles querem que você faça coisas que eles não fazem ou que talvez nem defendam por conta dos seus interesses. É uma pena que as pessoas se anulem dessa forma.

Vi, dia desses, que muitas pessoas, em seus leitos de morte, se arrependem de não terem feito o que queriam. Meu ponto é exatamente esse: faça o que você quiser. Viva, leia um livro, compre um chapéu, coma todo o chocolate que quiser, não pague a fatura toda do cartão de crédito... Acho que seria mais interessante que a vida fosse vivida se cada um vivesse dentro dos seus próprios termos.

Acho engraçado um filme que vi a algum tempo. O Woody Allen aconselhava um jovem escritor a dizer, sempre que alguém lhe dissesse como viver a vida, concordar, elogiar a idéia e fazer o que lhe desse na telha. Talvez esse princípio anárquico seja necessário. Acho até que Woody tem uma boa resposta. Nada mais interessante do que ludibriar uma pessoa fazendo-a achar que ela tem alguma influência na sua vida. Realmente genial.

Devo fazer uma ressalva, entretanto. Não endosso que as pessoas começem a agir como legítimos filhos da puta ou como criminosos. Não é porque você quer um iphone novo que você vai jogar uma pedra no vidro da loja, pegar o telefone e sair correndo. Bom senso. Bom senso. Se você quiser continuar agindo como uma pessoa altruísta, ótimo. Se você quer fazer chapinha e bancar o emo, fique à vontade. Mas não venha quebrar a lei e por a culpa em mim. Não quero a culpa de ninguém além da minha.

Não quero aqui, dizer o que você deve fazer. Novamente, eu reforço: faça o que você quiser [prestando atenção na ressalva acima]. E, se você quiser continuar vivendo sob os termos das outras pessoas ou me mandar ir à merda nos comentários, fique à vontade. Aqui ninguém é obrigado a nada.

Inté

2/04/2012

30 Rock - S06E03


O 3º episódio da 6ª temporada de 30 Rock começa com a adição de um novo elemento à confusão causada por Tracy Jordan: Devon Banks, opositor declarado de Jack aparece e faz exigências para não fazer divulgação do material do show de humor de Tracy.



O relacionamento de Criss e Liz permanece conflituoso quando esta releva que precisa da aprovação de Jack [seu mentor] para continuar. O fato de Jack ter sido o patrocinador do empreendimento do namorado de Liz acaba servindo como desencadeador de um conflito entre os 3. Aqui, conhecemos o sistema de aprovação de Jack e sabemos como Liz vê a si mesma em uma cômica referencia a Star Wars.



A Confusão dos Idiotas e a participação de Kelsey Grammer acabaram ficando em segundo plano. O primeiro gerou algumas boas risadas com a declaração/ crítica de desculpas de Liz e a participação de Denise Richards.

Já Kelsey ficou aquém do seu potencial. Sua participação ficou a segundo plano demais e acabou nem sendo engraçado. Fica aqui a esperança que ele retorne em episódios futuros, mas que seu talento seja melhor aproveitado.



Gostei muito do final do episódio, mostrando Liz novamente com Criss. Fomos apresentados a uma personagem segura das suas vontades e que vai atrás do que quer. Ela é uma mulher diferente da Liz que vimos nos últimos episódios, mas vista com alguma frequência. Pena que ela não se posicione assim mais vezes.

Pena que o prognóstico do namoro não seja bom. Já tivemos vários atores famosos atuando como namorados de Liz [Matt Damon, Jon Hamm, só pra citar alguns] ou como namoradas de Jack [Julianne Moore e Jennifer Aniston] e nenhum deles durou na série. Vamos alimentar as esperanças e rir enquanto o sentimento durar. 

1/27/2012

30 Rock - S06E02


O segundo episódio de 30 Rock é duplo [People are idiots two, título do episódio, acaba entregando] possui elementos que já foram vistos em momentos anteriores da série: Tracy fez uma declaração falando mal da comunidade gay norte americana e, claro caberá a Liz apagar esse incêndio. A forma como ela o faz, entretanto, acaba gerando uma segunda reação: a organização dos idiotas. Situação que deve render muito ao personagem de Liz, uma vez que os idiotas são os maiores consumidores do seu show.



Outro fator que volta a ser destaque é a vida pessoal de Liz. Somos finalmente apresentados a Criss, um empreendedor que busca uma pessoa que queira investir no seu negócio de cachorro quente. Mas isso não é o mais importante. Em virtude da relação próxima entre Jack e Liz, esta precisa que ele aprove seu relacionamento, embora tenha reservas em apresentá-los.

Para mim, o ponto alto do episódio foi o almoço entre Criss e Liz com a participação do Jack. Foi muito engraçado ver seus comentários sarcásticos, mas sem esquecer que quem os fazia era a própria Liz pensando como Jack. Ótima forma de retomar o que foi mostrado no episódio anterior.



Correndo por fora, temos a situação armada pela dupla Kenneth-Jenna com a participação do Pete. Ela rende alguns momentos engraçados, mas deve ser melhor aproveitada no próximo episódio. Temos o retorno de Kelsey Grammer à série, embora ainda não esteja claro qual o papel que ele irá representar [na sua primeira participação, ele ajudou a dar um golpe em uma loja de bolos].



Há, ainda, pequenas referencias: a crítica a pessoas chamadas Barack, uma pontada nas celebridades b e uma pequena referencia ao show de Jenna, mas nada que influencie ou aponte direções futuras da trama. 

1/20/2012

30 Rock - S06E01


O episódio da 6ª temporada começa fazendo uma paródia bem humorada de shows de talentos como American Idol. Entre os juízes, personagens que já apareceram no programa, está Jenna, fazendo o papel de Simon. A paródia de uma paródia.
Não me agradou Jenna estar fazendo uma paródia de Simon. Posto dessa forma, parece uma homenagem e, considerando o que já vimos antes no programa, acredito que deveria ter sido um pouco mais sutil e a forma como Jack procura forçar as atitudes de Jenna em relação às crianças acaba dilapidando a credibilidade de programas do gênero. Mas quem acredita que isso não acontece na vida real?

O plano mostra a seguir uma conversa entre uma cantante e bem humorada Liz e Jack. Aqui temos o retorno de uma amizade que permeia todas as seis temporadas e a constatação de que Jack conhece Liz muito bem. Correndo por fora como situação secundária, temos, novamente, a gozação sobre as crenças religiosas radicais de Kenneth.
O bom humor de Liz Lemon é reforçado o tempo todo durante o episódio, chegando a ser cansativo em alguns momentos. Mas ele gera situações engraçadas, como a investigação que Tracy faz e a hilária conversa entre este e Jack. A conclusão, embora possa enganar em um primeiro momento, revela-se mais complexa nos minutos finais do episódio.

O destaque do episódio, entretanto, é o personagem de Alec Baldwin. Neste primeiro episódio, vemos seu personagem sair de momentos “homem de negócios” para uma pessoa inundada por emoções. O momento da conversa entre ele e a filha é o seu ponto mais alto.
A forma como a crença religiosa de Kenneth foi explorada também ficou aquém do esperado. Os demais personagens secundários lhe pregaram peças costumeiras e ficou a cargo do Pete salvar o dia. Acho que, se fosse para fazer graça, as situações deveriam ter apresentado algum tipo de abordagem nova e não repetir o que já foi feito em episódios anteriores.
Um aspecto final chama a minha atenção, entretanto. Houve várias referências à mãe de Liddy, Avery Jessup. Devemos esperar o seu retorno a 30 Rock ou essa trama irá se perder nos próximos episódios? Espero ver mais desdobramentos da situação em breve.